Arquivo da Categoria: Observações

Relatos de observações no sítio da Atalaia

Atalaia em noite animada

Apesar dos vários eventos pelo país, em Castelo de Vide e Alqueva a Atalaia foi ponto de encontro para uns quantos estreantes.

Aqui fica o registo feito pelo João Brázio.

Nas presenças contamos o Brázio, o Diogo, o Vitor, o Vasco e uma data de malta.

Imagem do JB da SH2-103 feita com o seguinte setup:

Montagem :EQ6
Telescopio : ED80 + Reductor focal com Field Flatner 0,85
Camera CMOS : ASI1600MMC
Imagem composta por :16 subs Ha 900s a -20C
Guiagem : ASI120MM e um TSL80 (326mm)

De volta ao mundo dos CCDs!!!

Depois de desatinar com o ruído da DSLRs,  perdia a cabeça e voltei ao mundo dos CCDs.

Combinámos um jantar no restaurante O Ninho e fui experimentar a nova ATIK.

É um prazer enorme jantar com os membros deste grupo e estarmos todo  a falar de Astronomia com pessoas que respiram conhecimento nesta área .

Depois do grande jantar no NINHO fomos a caminho da Atalaia para mais uma noite de observação .

Valeu o convívio porque passei a noite a fazer reboot ao computador .

Mas serviu para fazer umas experiências e verificar o equipamento .

Venha a próxima .

Riscos no céu

Esta observação foi feita pelo Anselmo Dias.

Andava ele nas limpezas quando encontrou estas imagens feitas em 07 de MARÇO de  2014, hora 21H 51.

O equipamento utilizado: Megrez 90 +Canon 500D -Backyard Eos V.31
montagem EQ6 PRO

A observação mostra este fenomeno estranho que se assemelha a uma “chuva de estrelas”

Clique na imagem para aumentar.

A identificação da zona do céu em questão

Frame original

 

 

 

 

Noite quente de verão

Acabou por se juntar alguma malta nesta noite quente infestada de melgas.

Os presentes foram : eu, o Anselmo Dias, Diogo P. Monteiro, Paulo PIna, Rodrigo Cunha, Margarida Sequeira, João Moreno e Theresa…. ahh e o estreante Artur Oliveira.

Tinha combinado com o Anselmo tentar fazer umas “coisas” com o Obsession de 18″ e a Atik Infinity. Enquanto o Anselmo montava o telescópio fomos presenteados pela conjunção do fino crescente da Lua e Vénus já baixo no horizonte.

O Artur desapareceu com a sua dslr e o tripé e foi fazer star trails.

O João Moreno esteve a montar o Meade LXD 55 e não passou da colocaçao em estação pois um motor resolveu entregar a alma ao Murphy.

Foi através do Newtoniano do Rodrigo que tivemos a experiencia visual, a meu pedido o Diogo trouxe o Star Analyzer SA100, uma rede de difração que nos permite ver o espectro das estrelas. Com o SA100 enroscado na ocular vimos os espectros de Vega, Albireu, e Altair,. Em Albireu tivemos oportunidade de ver lado a lado os espectros deste par de cores diferentes. Para culminar vimos o espectro da Gamma Cassipeia, uma estrela Be que roda tão rápido que perde massa para um disco de acreação. Esse disco ao ser aquecido emite em H-alpha surgindo no espectro como um ponto brilhante em contraste com as linhas de absorção que são escuras.sa100_ds

Como indicador aproximado do que se viu escolhi esta imagem do Buil em que podemos ver que cada estrela tem a sua particularidade. As estrelas que observamos não foram estas, é só para terem uma ideia do potencial. No “arco iris” há linhas escuras que correspondem á absorção e em algumas há uns pontos brilhantes que correspondem a linhas de emissão.

buil_espectros_sa100_dsCrédito da imagem acima, Christian Buil, feita com uma DSLR e un Star Analyzer SA100

O Paulo Pina esteve entretido a fazer um boneco da Bubble Nebula com a canon dslr e o taka TOA 130F.
pina_bubble_dsCrédito da imagem acima, Paulo Pina

Mesmo sem guiagem a Atik Infinity consegue integrar imagnes de curtas exposições numa imagem equivalente a uma longa exposição.
anselmo_18inch_infinity_m-20-1200sCrédito da imagem acima, Anselmo Dias

A Guida não parou a noite toda, enquanto fotografava ia espreitando no telescópio do Rodrigo.
O crédito das imagens da galeria são da Guida Sequeira

atalaia-carros-e-telescopios_dsCrédito da imagem acima, Guida Sequeira.

Pela 1 h da manhã finas nuvens altas começaram a chegar e a dar o mote para começar a arrumar.

 

A noite dos iniciados

O relato seguinte foi feito a meu pedido pelo Diogo Pedro Monteiro após uma ida em que levou uns amigos á Atalaia (20 Agosto 2016).

“Certo dia, já lá vão uns anitos, um de muitos grupos que aparecem pela Atalaia para “espiolhar” a coisa, por lá andou até o sol raiar.  Tiraram muitas fotos de tripé, e ficaram deveras interessados em voos mais altos. A paixão era muita e a experiencia inversamente proporcional.

Como muitos dos curiosos, não voltaram, mas a semente ficou.
Volvidos cerca de 3/4 anos resolveram volta a atacar em duas frentes. Uma de carteira um pouco mais generosa, procedeu à aquisição da sólida EQ6 e de um Newton de 10 Polegadas e de uma Cam chinesa.
Outra frente munida de mais engenho, aplicou um “wedge” numa azimutal apontou à polar, e definiu a sua posição geográfica como estando em pleno Polo Norte. O tracking foi perfeito. Só um dos motores é que funcionava, como previsto.
Ambas as frentes lançaram-se no terreno quase “out of the box”, mas tudo rapidamente entrou nos eixos, e as fotos começaram a sair.
A noite esteve quase que perfeita para fotografia, não fosse a presença da lua.
A temperatura e a ausencia de melgas, aliada à boa disposição e snacks “gourmet” voltou a cinzelar nas nossas mentes, o porquê desta nossa paixão.
Bem vindos, Vasco, e Brázio.
Ficamos à espera das imagens futuras :)”
14037733_1085881174822601_1039105553_o 14113940_10206319152329754_282262384_o

Pelo Alberto – Jantar de homenagem

A amizade prevalece
A amizade prevalece  –  Alberto á esquerda da imagem

“Atalaia, 25 de junho de 2016: Pelo  Alberto

Este não é um relato como os habituais e por isso não tem descrições de objetos observados, de equipamento utilizado nem de quem esteve e quem não pôde estar. Foi uma noite pelo e para o nosso amigo Alberto, intensa e construída na medida das emoções e razões que nos levaram a uma noite de memórias, comemoração e partilha, tudo no bom e já conhecido espírito do grupo Atalaia.

E foi com esse espírito que nos reunimos ontem à noite, para jantar em conjunto e se possível observar o céu a seguir. Ponto de encontro no Ninho, local que tantas vezes nos acolheu e que soube tão bem acarinhar e homenagear o nosso amigo Alberto, onde nos reencontramos e jantamos muito bem como sempre. Nem a Seleção das Quinas faltou, para jogar e vencer, devidamente festejada por todos. O que poderíamos querer mais? A companhia do nosso amigo, nem mais nem menos. Fez-nos falta o Alberto, nosso Comandante, feito na profissão e engrandecido agora na nossa memória. Em sua homenagem foi dita e sentida uma mensagem pelo nosso companheiro José Ribeiro, que fez dele os sentimentos de todos.

Já jantados, uns rumaram às sua vidas e os restantes ao nosso local de observação de sempre, junto ao Campo de Tiro de Alcochete, para uma noite de convívio e partilha em torno dos poucos telescópios montados. Destacou-se o Obsession do nosso companheiro Anselmo, em torno do qual nos reunimos no final da noite.

Não importa o que vimos nem tão pouco o que foi dito. Importa termos lá estado.”

Texto de Alcino Pacheco

Crédito das imagens abaixo Alcino Pacheco

 … mas houve mais quem fizesse uso da sua camera fotografica.

A galeria abaixo tem o crédito do Ulisses Martins

 … finalmente a segunda fase da homenagem ao nosso camarada, a parte que ele tanto adorava, ver e dar a conhecer o céu.

As imagens t êm o crédito do Paulo Pina com o equipamento do Luis Santo.

Posso dizer que a noite esteve muito boa. Assim que chegamos tivemos uma linda vista da nossa galáxia, havia uma boa transparência embora ao observar os planetas se notasse uma certa turbulência que melhorou um pouco com o adiantar da noite.

A reunião foi de facto mais á volta do OBSESSION de 18″ do Anselmo Dias que nos ofereceu belas imagens do que havia no céu. Melhor que o Anselmo para fazer as honras só mesmo o nosso desaparecido Alberto que tinha o apanágio de reunir á sua volta as multidões.

Depois veio a Lua e tivemos mais um alvo para os telescópios presentes no local.

Para quem observou pela primeira vez esta noite decerto não a esquecerá, foi optima, tivemos de tudo, Céu, companheirismos, amizade e um excelente convivio.

Para o nosso camarada Alberto, arrendatário de um condominio lá no céu, um até breve de todos nós

gregas

AstroCoruche 2015

ASTROCORUCHE 2015

Mais um grande evento organizado pelo Prof. Jacinto Castanho (Clube de Astronomia ) e com o Apoio da Câmara Municipal de Coruche .

IMG_1433

Para mim sempre muito agradável rever alguns amigos e encontrar tantas pessoas juntas num Evento Astronómico .

11402804_1655877464646168_8633739613582214442_n

Como sempre o Grupo Atalaia estava presente.

11390308_1655882134645701_2024561811005863914_n11401111_1655882431312338_2307613780941593135_n

Começámos pelas palestra e como não podia ser de outra forma lá estava o João Gregório (Detecção de Exoplanetas ).

IMG_1428

Seguiu-se  Pedro Machado com o tema “ EXPLORAÇÃO ESPACIAL DO SISTEMA SOLAR “, Máximo Ferreira com o tema “2015 ANO INTERNACIONAL DA LUZ” e os Alunos do 7º Ano com o tema “ OS ASTRONOMOZINHOS EXPLICAM…”..

Tudo muito bem organizado e entre as conferências tivemos dois Coronado PST para observar o SOL.

11422050_10206022362213881_7319927575740270385_n11401186_1655957911304790_6315235132784802108_n

No final das palestra tivemos oferta de um jantar com mais de 100 pessoas, com bom vinho e boa comida.

IMG_1452

 

Não faltou animação…

IMG_1460 IMG_1456

 

No final da noite veio a melhor parte: OBSERVAÇÃO com vários telescópios e com uma noite agradável.

 

IMG_1481 IMG_1477IMG_1479

E acabou mais um grande encontro. Ficamos aguardar o próximo em 2016.

Obrigado, Prof. Jacinto Castanho por mais esta grande organização. Continue que todos necessitamos destes eventos .

Só faltou o Alberto, mas temos que acreditar que brevemente vai voltar a estar presente nestes eventos…

Obrigado a todos .

AstroCoruche 2014

Após um longo período de ausência das observações regulares, decidi tirar o pó a um dos meus telescópios e aparecer no AstroCoruche, um encontro regular organizado pelo prof. Jacinto Castanho, e que por uma razão ou por outra nunca tive oportunidade de visitar.

Este ano o evento realizou-se no sábado passado dia 24 de Maio, com uma pequena série de palestras no Museu Municipal, seguido de um jantar e sessão de observação em Frasão, a alguns quilómetros de Coruche.

Pouco passava das 15h30 quando cheguei a Coruche, tendo encontrado local para estacionar com facilidade. Logo à entrada do Museu Municipal encontrei-me com o Jacinto, e mais uns Atalaicos: o Anselmo Dias, o João Gregório, e o Paulo Pina. Ficámos por ali a meter a conversa em dia, e mais participantes foram aparecendo.

AstroCoruche - Apresentação

Pelas 16h30 começaram as palestras, precedidas por uma pequena introdução pela organização, e arrancando logo de seguida com uma apresentação do Jorge Oliveira, um antigo aluno do Jacinto, onde ele nos mostrou como tinha usado o rádio-telescópio SALSA (acrónimo de “Such A Lovely Small Antenna”) de 2.3m que se localiza na Suécia e faz parte do projecto EU-HOU (European Hands on Universe) dinamizado em Portugal pelo Nuclio.

AstroCoruche - Jorge OliveiraAs observações tinham como objectivo efectuar um pequeno mapa dos braços da galáxia, e determinar a curva de rotação dessa mesma zona, com recurso a medições na radiação de Hidrogénio.

De seguida assistimos a uma apresentação sobre Poluição Luminosa por um grupo de estudantes de uma escola de Vila Nova da Barquinha, onde além de um bom trabalho de investigação sobre os problemas causados por esta forma de poluição ambiental, ficámos a conhecer algumas boas práticas que a Câmara Municipal implementou na localidade.

AstroCoruche - Alunos de VNBPor último, tivemos a Rosa Doran do Nuclio, onde fez uma apresentação sobre Buracos Negros, que serviu como uma boa introdução sobre o tema para grande parte da audiência.

AstroCoruche - Rosa DoranAntes de sair para o jantar ainda tivemos uma breve visita guiada ao núcleo tauromáquico do Museu Municipal, que ficava mesmo “ali ao lado”.

AstroCoruche - João GregórioMais tarde, e após o jantar onde nos encontrámos com mais um numero bastante razoável de participantes, entre eles mais dois Atalaicos que não via há muito, o Ulisses Martins e o Francisco Gomes, dirigimo-nos ao local de observação, que ficava bastante perto do restaurante, e passámos à montagem do material.
Eu montei o meu TEC numa montagem equatorial, o Anselmo montou o Obsession com a ajuda do João, o Paulo Pina montou um refractor Taka numa equatorial também. O Ulisses e o Francisco ficaram um pouco longe, e com o convívio da noite acabei por não os “visitar” e por isso não sei ao certo que material tinham, mas tive muitas oportunidades de conversar e espreitar por vários equipamentos, incluindo o Obsession do Anselmo que acabou por servir também para visual, um dob Orion de 12” que estava com o Paulo Sanches de Moimenta da Beira com quem estive durante algum tempo à conversa a debater oculares.

Da minha parte desenferrujei os meus dotes de apontamento em alguns objectos fáceis do Catálogo de Messier, e ainda estive entretido com Saturno.

AstroCoruche - ParticipantesA noite estava bastante boa, e o local de observação era muito decente, com excepção de uns candeeiros que perturbavam um pouco, mas teriam sido evitados com um posicionamento mais inteligente dos carros. Com excepção de um pequeno período por volta das 3 da manhã, a noite esteve sempre limpa e sem vento, não muito fria, e no global bastante agradável.

Ao longo da noite tivemos oportunidades de ver alguns meteoros, mas para mim o momento alto foi ver de novo as constelações de verão, Cisne, Sagitário, Escorpião, Seta, Golfinho, etc. a oferecerem belas vistas no dob de 12” do Paulo Sanches com uma ocular de grande campo de 22mm. O Obsession também me mostrou de novo objectos que apesar de já conhecidos, são sempre fascinantes, e entre os quais destaco a M17, uma nebulosa que dá sempre muito prazer rever.

Entretanto com o decorrer da noite as pessoas foram “fechando a loja”, tendo chegado a nossa vez por volta das 3h30 da manhã.

Foi com um grande sorriso de satisfação, que fiz o caminho de volta, que aproveitei para decidir que tenho de ir mais vezes aos treinos… esperemos por céu limpo!

AstroCoruche - Atalaicos

Noite na Serra á caça “deles”

Como de costume sempre que há um fim de semana de Lua nova rumo até á “minha” Serra e deleito-me com aquele céu escuro. Assim fiz para quebrar o jejum deste longo inverno e passei as noites de 7 e 8 de Março a testar as minhas novas capacidades e equipamento na caça de alguns asteroides e cometas.

Atarefado na montagem
Atarefado na montagem

 

Na segunda noite tive o prazer da companhia dos meus mui estimados amigos astronomos, o António Santos e o descobridor de exoplanetas João Gregório que me tem dado uma grande ajuda a explorar este mundo interessante da astrometria.

Abaixo temos a imagem de uma soma de 8 imagens de 60s capturada com o meu newtoniano de 20cm de abertura.

Escolhi este alvo por ser um daqueles que estava previsto passar muito perto da Terra.

O 2014 Ay 28 foi descoberto pelo PANSTARS-1, num rastreio feito a partir do Hawai. A dimensão estimada é entre os 120 e 280m, sendo portanto um calhau pequeno que regressa a cada 1,7 anos.

A dificuldade de um alvo a passar tão perto é a velocidade com que atravessa o campo e a precisão do apontamento. Felizmente consegui acertar nas coordenadas e fazer a captura.

anselmo_2014AY28

Aqui fica um “blink” entre duas imagens facilitando a visualização do deslocamento que o asteroide teve em cerca de 9 minutos.

2014ay28_blink

Consegui capturar alguns objectos e vou levar algum tempo a processar, mas vou acrescenta-los aqui.

Uma imagem do cometa periodico 290p

Jager 290P-croped

 

 

 

Noite para esquecer

Eram quase 22h quando cheguei áAtalaia. Estava com receio que os acessos estivessem muito maus, mas nem por isso. Jáestavam no terreno o Vitor Ferreira, o Diogo Monteiro, acho que o Filipe Matos e mais uns tantos aficionados que aqui ficam as minhas desculpas por não aproximar-se um vulto, que ao chegar perto de mim verifiquei ser o nosso velho amigo Francisco. A noite não estava com muita humidade, a temperatura também não estava má, mas o céu sofria de falta de transparência. Depois de alguma dificuldade em colimar o meu LightBridge comecei a minha observação pelo par M81 e M82 que, através de uma Nagler 31 ésempre um belo quadro. Com o céu que estava M81 apresentava pouco mais que o seu núcleo. De seguida apontei para a M51 que deu para ver que o céu estava bem deteriorado. Como ainda estava um pouco de Lua apontei para Jupiter, que se apresentou também bastante mau. Fiz nova colimação ao telescópio mas a observação de Jupiter continuava degradante. Não estando muito entusiasmado com a noite fui dar uma volta pelo pessoal. Por volta da 1h da manhão céu apresentava-se quase todo tapado o que me fez decidir por arrumar o material e rumar a casa. Em termos de observação, uma noite para esquecer.